AvantGarde > Acontece > Tudo sobre esportivos! > Porsche 356, o melhor espólio da Segunda Guerra.

Porsche 356, o melhor espólio da Segunda Guerra.

21 de agosto de 2017 / 276 / Tudo sobre esportivos!
Facebook It
Tweet It
Pinterest It
Google Plus It

Porsche 356, o melhor espólio da Segunda Guerra.

A Porsche é, ao lado da Ferrari, uma das mais icônicas fabricantes de superesportivos no mundo. Sua fama nas corridas e o glamour no segmento de carros de rua são a maior prova disso.

Como toda grande história automotiva, teve um seu inicio devido à genialidade de engenheiros, empreendedores e ao sucesso de um modelo especifico. Neste caso estamos falando do Prof. Dr. Ferdinand Porsche, seu filho Ferry Porsche e do modelo Porsche 356, o primeiro Porsche de todos.

> Ascari Race Resort, o paraíso existe!
> Conheça a história da Lamborghini

Porsche e seus primeiros projetos

No período pré-segunda guerra mundial e durante toda sua duração, a Porsche era um escritório de engenharia que desenvolvera projetos fantásticos, como o VW Fusca e os flechas de prata da Auto Union, que dominaram junto com as Mercedes os campeonatos de Grand Prix, os quais posteriormente viriam a ser o mundial de Formula 1.  


Ferry Porsche ao centro, Prof. Dr. Ferdinand Porsche à direita e o Porsche 356/1

Ferdinand Porsche é quase preso pelo goverso francês

Logo após o fim do conflito, o Prof. Dr. Ferdinand Porsche fora convidado a Paris para discutir um projeto de um automóvel.

Na verdade ele estava indo para uma armadilha. Ao chegar a solo francês, foi preso sobre a alegação de aceitar trabalho escravo em suas oficinas. Sabendo de sua posição desfavorável, afinal era um alemão no pós-guerra, Ferdinand Porsche fez todas as vontades do governo francês.

Ou seja, apesar de ter sido preso com a alegação de aceitar trabalho escravo, ele quem passou a trabalhar de maneira similar para o governo francês.

Porsche e Renault

Mesmo preso por um longo período e com saúde debilitada, ele foi obrigado a contribuir para o aprimoramento de alguns modelos. Há boatos de que o Renault 4CV tem muita da contribuição do Prof. Porsche, não é por acaso que foi considerado o fusca francês.

O Cisitalia projetado por Ferry Porsche

Ferry Porsche paga fiança para Ferdinand, seu pai.

Enquanto Ferdinand estava preso, Ferry Porsche ficou sabendo que seria necessário o pagamento de uma fiança para soltar seu pai. Desesperado, ele foi atrás de Piero Dúsio, um ex-jogador de futebol, que atuou pela Juventus, que também fora piloto bem-sucedido com vitória na Mille Miglia.

Dúsio tornou-se empresário e passou a fabricar carros de corrida, fundando a Cisitalia. Durante a guerra fabricou armamentos, portanto conhecia os meandros do meio militar.  

Dúsio foi lá e pagou a fiança, em troca, Ferry Porsche deveria desenvolver um modelo para as competições Grand Prix.

E assim foi feito, um modelo de motor central-traseiro e tração nas quatro rodas, porém devido a problemas técnicos e financeiros, o carro que seria pilotado por Tazio Nuvolari estreou apenas em 1954, na Argentina.

Cisitalia 202, inspiração para Ferry Porsche

Como surgiu o Porsche 356/1 ?

No período que passou na Cisitalia, Ferry Porsche descobriu uma idéia genial de Dúsio, desenvolver esportivos a partir de modelos de produção em massa, com mecânica simples e barata.

Os carros da Cisitalia eram baseados nos modelos da Fiat, com mecannica 1.100cm³  com cerca de 60cv em carros com carroceria de alumínio que pesavam pouco mais de 600kg. Com esses números, o desempenho era claramente satisfatório

Protótipo Porsche 356/1, notar o menor espaço no habitáculo.

Fiança paga, de volta a Stuttgart, Ferry Porsche encontrou no fusca, criação de seu pai, a versão alemã ideal para os carros da Cisitalia. Nascia assim o Porsche 356/1, o primeiro protótipo de um verdadeiro Porsche.

Sua configuração era simples. Motor central-traseiro, mas ao contrário do fusca, a ordem era habitáculo, motor e cambio, enquanto carro do povo tinha sua ordemm estabelecida por habitáculo, cambio e motor.

A Porsche conhecia bem as vantagens dessa configuração. Um capô mais baixo era a vantagem aerodinâmica e estética mais marcante, mas, além disso, tinha também a melhora da tração, já que joga mais peso sobre as rodas motrizes, as traseiras.

Um motor no entre-eixos também diminui o momento polar de inércia, aperfeiçoando a dirigibilidade do carro em curvas e melhora a frenagem, pois com mais peso atrás, apesar do deslocamento natural de massas para a parte dianteira do veículo, ainda “sobra” peso sobre os pneus traseiros, o que faz com que eles possam atuar mais e equilibrem melhor a distribuição de força e pressão nos pneus.

Raio X do Porsche 356

Engenharia de competição ou carros de rua?

Apesar de toda a engenharia de competição aplicada aos carros de rua, a Porsche identificou em uma clinica com possíveis compradores do novo modelo, que a configuração utilizada no fusca seria melhor em termos de mercado, pois os mesmo priorizavam mais o espaço interno do que uma dinâmica refinada.

Foi a partir deste momento que o motor do Porsche 356 foi deslocado para trás do eixo traseiro. Essa característica se manteve no seu sucessor, o Porsche 911, e irá se perpetuar por muitos anos como tradição da marca, a qual os consumidores ainda se recusam a alterar.

Porsche 356 e VW Fusca, separados no nascimento.

Motor Porsche 356/1

Mesmo baseado no fusca, tanto em termos de chassi quanto de mecânica, o Porsche 356 e o modelo da VW eram uma espécie de gêmeos com personalidade opostas. A começar pelo fato de que o Porsche 356 era fabricado pela Porsche com peças exclusivas.

Seu motor, por exemplo, possuía as válvulas das pontas acionadas por um balancim diferente, a válvula é inclinada para o centro do cilindro em um plano distinto da outra e a carburação era dupla. Algo completamente diferente de seu “irmão” fazendo com que sua potencia fosse basicamente o dobro com relação ao fusca, em um carro ainda mais leve.

Famoso motor Carrera, tudo em dose dupla.

Foi no Porsche 356 que também surgiu o famoso motor Carrera. Neste motor tudo vinha em dobro. Eram dois comandos de válvula para cada um dos dois cabeçotes, duas velas por cilindro, dois distribuidores, além de dois carburadores de corpo duplo.

O Carrera 2 era a versão de 2.0L  que alcançava 130cv.

Porsche 356 SL Le Mans

Nascido de uma situação incrivelmente adversa, o Porsche 356 foi o primeiro dos Porsches e pode ser considerado um dos maiores e melhores espólios de guerra já “encontrados”.

Afinal, não saberíamos se ele, e toda a fabricante alemã existiriam caso não fosse a prisão do Prof. Dr. Ferdinand Porsche. Empreendedores, são assim, fazem da crise sua oportunidade.

Porsche Carrera, herdeiro direto do Porsche 356.

A AvantGarde Motors lhe convida a conhecer os modelos Porsche expostos em nosso showroom.

Precisando de uma ajuda para escolher um veiculo?

Entre em contato