AvantGarde > Acontece > Tudo sobre esportivos! > Pagani Huayra a marca da exclusividade

Pagani Huayra a marca da exclusividade

26 de julho de 2018 / 108 / Tudo sobre esportivos!
Facebook It
Tweet It
Pinterest It
Google Plus It

Uma história recheada de desafios, aventuras e uma boa dose de heroísmo. O Pagani Huayra é o modelo atual de um construtor que desafia os grandes esportivos do mundo.

 

BENTLEY CONTINENTAL GT, A DEFINIÇÃO DE GT

FERRARI 458 ITALIA, MAIS UMA OBRA PRIMA DE MARANELLO

ASTON MARTIN DBS, O CARRO DE 007

 

Orácio Pagani, uma história recente do prodígio argentino

No fim da década de 1970, um jovem argentino foi apadrinhado por Juan Manuel Fangio. Um prodígio que esculpia supercarros em pau de balsa na infância. Cursou então desenho industrial e engenharia mecânica, construindo um carro de Fórmula 2 sem nunca ter visto um pessoalmente. Orácio Pagani deixou a Argentina rumo à Itália. Trabalhou na Lamborghini desenvolvendo o primeiro modelo da marca feito em fibra de carbono. Sob zombarias de todos na empresa, comprou, com o próprio dinheiro uma autoclave, necessário para a cura da fibra de carbono. Assim como Ferrucio desafiou Enzo Ferrari, Pagani calou toda a marca do Touro ao sair da Lamboghini. Levando seu autoclave abriu uma empresa que produzia peças em fibra de carbono para grandes empresas italianas, a Ferrari além da própria Lamborghini. Isso rendeu os dividendos para criar sua marca e seu primeiro supercarro: O Pagani Zonda. Seu atual sucesso, o Pagani Huayra está entre os carros mais exclusivos do mundo!

 

Orácio Pagani ao lado de sua criação o Pagani Zonda. Esse argentino que desafiou Ferrucio Lamborghini e criou uma fábrica de supercarros que não deixa nada a desejar às grandes marcas.

 

Pagani Zonda, o carro mais caro do mundo

O primeiro projeto de Orácio deveria ter o nome de Fangio F1, em homenagem padrinho de Oracio, que ainda o ajudou a projetá-lo. Infelizmente Juan Manuel Fangio faleceu em 1995, durante o projeto, que recebeu o nome de um vento dos Andes argentinos. Mas antes disso, usou sua influência na Mercedes Benz para conseguir o fornecimento dos motores para a Pagani. O Pagani Zonda ainda foi um carro longevo, produzido de 1999 até 2012 e diversas versões. A marca de exclusividade e todo o luxo, velocidade e sofisticação que um esportivo italiano deveria ter. O Pagani Zonda é tão exclusivo que mesmo depois de sua aposentadoria, em 2012, teve uma versão especial em 2017, o Pagani Zonda HP Barchetta com o título de carro novo mais caro do mundo, sendo vendido por R$67 milhões.

 

o Pagani Zonda Barchetta bateu o recorde de carro de produção mais caro do mundo, sendo vendido por 63 milhões de reais.

 

Pagani na coleção do Tetracampeão

 O tetracampeão de Fórmula 1, Lewis Hamilton possui um Pagani Zonda 760 LH (sim, são as iniciais de seu nome) de 2012, uma versão especial e exclusiva como todo Pagani. O piloto diz a seguinte frase: “Eu não sei nada sobre vinhos. Eu não sei muito sobre arte. Mas o que eu sei é sobre carros, e eu tenho uma opinião muito particular sobre eles”. Em 2015 o sempre polêmico Hamilton ainda bateu o seu Zonda num carro parado, culpando então o cansaço. Ele ainda declarou que o Pagani Zonda é difícil de dirigir: “É o carro com o melhor som que eu tenho, mas é o pior em termos de dirigibilidade”. Mas essa também é uma marca dos esportivos italianos “Raiz”.

 

O Pagani Zonda faz parte da coleção do tetracampeão Lewis Hamilton.

 

Pagani Huayra

O então chamado projeto C9, começou em 2003, ano mítico dos superesportivos. Isso porque nesse ano vieram ao mundo Mercedes AMG, Ferrari Enzo e Bugatti Veyron. O Pagani Zonda já era um sucesso e estava com sua versão S no centro dos holofotes. Orácio Pagani pensou em desenvolver um esportivo mágico. As linhas remetem às elipses do logo e o formato de uma asa. Com toda a leveza de linhas aerodinâmicas nasceu em 2011 o Pagani Huayra. O motor Mercedes Benz AMG V12 biturbo 6.0L foi desenvolvido especialmente para ele. Entregando a potência suficiente para decolar um avião, mas com linearidade super calibrada. Isso reduz a necessidade de utilização constante de auxilio eletrônico e aumenta a segurança. O Pagani Huayra voa baixo e recebeu o título de Hipercarro do ano de 2012 pela Top Gear Magazine.

 

Pilotado pelo misterioso Stig, o Pagani Huayra ganhou o título de melhor Hiperesportivo do mundo em 2012.

 

Mais de 4000 peças que fazem exclusivo o Pagani Huayra

Segundo Orácio Pagani, são mais de 4000 peças que fazem um Pagani Huayra. Produzido em fibra de carbono, possui a carroceria extremamente leve para receber o motor limitado a 100 unidades. Já em fevereiro de 2015, todas haviam sido vendidas. Maior que o Zonda em 70mm, a cabine também recuou 40mm, isso geraria mais espaço interno. Na frente a suspensão ativa e 4 flaps garantem a otimização da estabilidade e do coeficiente de arrasto. Em sua versão original, o motor gera 700 cv de potência com 1000 Nm de torque. Mas o desenvolvimento do powertrain ainda levou em conta o baixo nível de emissões de CO2 e eficiência energética. A opção de usar não usar o câmbio da moda com dupla embreagem e sim um sequencial de 7 marchas reduziu o peso em 70 kg. O que compensou ao deixar o carro com 1350kg sendo 44% na dianteira e 56% na traseira.

 

O motor exclusivamente feito para o Pagani Huayra pela Mercedes AMG foi limitado a 100 unidades. O carro possui mais de 4000 peças, sem contar motor e transmissão.

 

Pagani Huayra BC, homenagem ao primeiro comprador

Todavia, o foco da Pagani é fazer carros sob medida que estarão nas mãos dos amantes da velocidade e multimilionários. Os colecionadores são tão importantes para a marca que a versão do Pagani Huayra BC, lançado no salão de Genebra de 2016, faz homenagem ao primeiro e fiel cliente da marca. O colecionador Benny Caiola era italiano e faleceu em 2010, foi o comprador do primeiro Pagani Zonda.  O Pagani Huayra BC é uma versão de pistas altamente tecnológica e baseada nas lições aprendidas com o Pagani Zonda R. O motor é o AMG V12 6.0, conta comm, nada menos que 800 cv e aprovado pela CARB e EU6. O câmbio foi desenvolvido e fabricado pela XTRAC e tem atuador eletro-hidráulico e sincronizadores de fibra de carbono. O peso com isso é reduzido em 132 Kg contando com 1,62 Kg/cv. As 20 unidades produzidas saíram pela bagatela de €2.1 milhões.

 

Uma homenagem ao primeiro comprador da Pagani, o colecionador Benny Caiola dá nome a essa versão de 800 cv do Pagani Huayra.

 

Uma versão para cada dono

O Pagani Huayra possui diversas versões customizadas especialmente para seus compradores. Os colecionadores de carros, inclusive, o tem em alta conta por ser um dos carros de produção em série mais rápidos do mundo. Além disso, os valores que só se encaixam em bolsos abarrotados de dinheiro. O último produzido, como o próprio nome diz é a versão Pagani Huayra L’ultimo, cujo dono é um concessionário Pagani Norte Americano. Esse carro possui as cores do carro de fórmula 1 de Lewis Hamilton, prata com faixas verde “Petronas” e detalhes no preto original da fibra de carbono. O interior contrasta com o exterior por possuir cores em turquesa e bancos de couro branco. Uma entrada de ar sobre o cockpit também remete ao carro de Fórmula 1. Essa é a Pagani, um carro para bem poucos, um produtor jovem e talentoso que nada deve aos concorrentes clássicos.

 

O Pagani Huayra L’Ultimo leva as cores do Mercedes F1 de Lewis Hamilton, uma homenagem ao fornecedor do motor impressionante da Pagani, que vai para o representante Pagani de Miami

 

Você pode gostar também

Os 10 carros mais caros do mundo
31 de agosto de 2018

Leave your comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisando de uma ajuda para escolher um veiculo?

Entre em contato