AvantGarde - BMW Série 7, o futuro é agora AvantGarde
AvantGarde > Acontece > Tudo sobre esportivos! > BMW Série 7, o futuro é agora

BMW Série 7, o futuro é agora

11 de dezembro de 2017 / 354 / Tudo sobre esportivos!
Facebook It
Tweet It
Pinterest It
Google Plus It

Bayerische Motoren Werke AG, esse é o nome completo da BMW. A marca fundada em 1916 com a incorporação da fábrica de Gustav Otto que criou o ciclo de combustão interna atualmente usado. A BMW se especializou como a marca Premium puro. Tão puro que, as empresas do grupo, Rolls Royce e Mini também são sinônimos de premium. Uma empresa com tal missão, quando produz seu produto TOP de linha, não brinca em serviço. Vamos falar do BMW Série 7!

Veja também:

BMW M6 GRAN COUPE

BMW X6, OS BÁVAROS DESCOBRIRAM A ALQUIMIA PERFEITA

 

A história do BMW Série 7

Geração E23

Lançada em 1977, a primeira versão do BMW série 7 já mostrava à que veio, com motores 6 cilindros em linha de 2.8, 3.0 e 3.3 litros entre 170 e 197 cv com injeção eletrônica. Nessa versão foram introduzidos computador de bordo e freios ABS. EM Em 1980 o BMW Série 7 foi o primeiro sedan grande com motor turbinado. O 6 cilindros em linha 3.2L com 252 cv. Em 1982 a caixa automática passava de 3 para 4 marchas e ganhava controle eletrônico. Em 1986 as versões Highline e Exclusive ofereciam telefone, ajuste elétrico do banco do motorista com memórias, aquecimento dos bancos dianteiros e traseiro, ar-condicionado automático, revestimento dos bancos em couro de búfalo ou em napa, limpador de para-brisa automático e air bag para o motorista.

 

Lançado em 1977, o BMW Série 7 já trazia computador de bordo, ABS e injeção eletrônica .

 

Segunda geração (E32)

No lançamento em julho de 1986, o BMW Série 7 passou a ter motores 6 cilindros em linha 3,0 de 188 cv e 3,5 de 211 cv, maior distância entre eixos e rigidez estrutural. Cada vez mais novidades como controle eletrônico de tração, o primeiro no mundo com faróis de xenônio, telefone e fax integrados ao carro, retrovisor fotocrômico, amortecedores e direção com controle eletrônico. Em 1987 chegava o 750i, com motor V12 de 5,0 litros e 300 cv. Uma versão de entre-eixos versão com maior designada com a letra “L” a pedido do mercado Norte Americano. Em 1991 foi o primeiro com sensores de estacionamento e em 1992 novos motores V8 de 3,0 litros/218 cv e 4,0 litros/286 cv.

 

A segunda geração do BMW série 7 continuou como pioneira em inovações tecnológicas.

 

Terceira geração (E38)

Lançada com motores V8 e os inéditos V12 de 5,4 litros (326 cv). a suspensão traseira multibraço e a transmissão automática de cinco marchas. Foi o primeiro carro de série com navegador por satélite integrado ao painel e controle eletrônico de estabilidade. Em 1995 o motor 6 cilindros chegou aos 193 cv. Em 1996 os V8 passavam a 3,5 litros com 238 cv e 4,4 litros com 286 cv e maior torque. Transmissão automática Steptronic permitia trocas manuais de marcha. Em 1997 foi lançado o motor turbodiesel de 2,5 litros e 143 cv, o primeiro do tipo no BMW Série 7. Além da propaganda por ser o carro de James Bond em 007 O amanhã nunca morre. Em 1998 ganhava mudanças de estilo, monitor de pressão de pneus e motor turbodiesel de 3,0 litros e 184 cv. Em 1999 mais um turbodiesel, agora V8 de 245 cv. A BMW se mantinha à frente do tempo com a versão a hidrogênio em 2000 com 204 cv no motor V12 e autonomia de 350 km, que se somava ao do tanque de gasolina (mantido em função da escassez de postos do novo combustível).

 

O BMW Série 7 assumiu o posto de carro de James Bond no filme 007 O Amanhã Nunca Morre.

 

Quarta geração (E66, E66, E67, E68)

A geração do BMW Série 7 lançada em 2001 teve estilo controverso, sobretudo a tampa traseira mais alta que os para-lamas, criação do projetista Chris Bangle. O sistema de controle IDrive também foi criticado por muitos: ganharia facilidade de uso em versões posteriores. Trazia recursos como atuação variável dos estabilizadores da suspensão, faróis de xenônio em ambos os fachos, freio de estacionamento com comando elétrico e controlador da distância à frente. Versões iniciais eram de 3,6 litros/272 cv e V8 de 4,4 litros/325 cv. Em 2002 a versão o topo de linha 760i trazia um V12 de 6,0 litros e 438 cv. No 740d vinha um V8 turbodiesel de 258 cv. Em 2004 o 750i voltava à linha com um V8 de 4,8 litros e 367 cv. No 730i vinha o seis-cilindros de 3,0 litros/258 cv. Em 2005 com uma reforma visual abandonava parte das soluções polêmicas. Em 2006 o motor V8 turbodiesel de 329 cv aparecia no 745d. O Hydrogen 7, a hidrogênio, foi feito em série de 100 unidades.

 

A traseira polêmica da quarta geração do BMW Série 7 acabou sendo substituída no primeiro facelift.

Quinta geração (F01, F02, F03)

O lançamento em novembro de 2008 trazia um BMW Série 7 com turbo em todos os motores, caixa automática de oito marchas e opção de tração integral. As opções a gasolina eram de 3,0 litros/326 cv, 4,4 litros/473 cv e 6,0 litros/544 cv. A diesel havia os de 3,0 litros com 258 e 385 cv, este com três turbos. O Active Hybrid 7 combinava motores elétrico e a gasolina para 310 cv. A suspensão dianteira passava de McPherson para braços sobrepostos. O primeiro carro do mundo a ter mostrador projetado no para-brisa (HUD) com alerta de excesso de velocidade, detector de placas do limite da via, câmeras laterais para auxílio ao sistema de estacionamento e sistema de visão noturna que reconhecia movimentos humanos. Em 2009 a versão a hidrogênio e opção de entrada de 3,0 litros e 258 cv. Em 2012, pequenos retoques visuais, faróis de leds, painel remodelado e sistema Connected Drive.

A geração anterior à atual do BMW Série 7 marcou pela estréia da versão hybrid.

 

Sexta geração (G11, G12)

Em junho de 2015, o BMW Série 7 aparecia com inovadora estrutura formada por fibra de carbono, aço e alumínio para redução de peso. No interior a tela tátil do painel podia ser comandada por gestos. O sistema de estacionamento era todo automático, a ponto de o motorista poder ficar de fora. A suspensão usava molas a ar e amortecedores com controle eletrônico. Motores de 3,0 litros/326 cv, 4,4 litros/450 cv (V8) e turbodiesel de 3,0 litros/265 cv. Em 2016 o M760Li XDrive trazia motor V12 biturbo de 6,6 litros e 610 cv, tração integral e máxima de 305 km/h. O 740E era um híbrido com recarga externa, modo elétrico e 326 cv. Edição The Next 100 Years celebrava os 100 anos da BMW. O 730i vinha com motor turbo de quatro cilindros e 258 cv.

 

A geração atual do BMW Série 7 vem equipada com o motor V8 4.4 e possui tecnologias além do tempo.

 

Sedã de luxo curto ou longo? É possível escolher

Desde 1987, o BMW Série 7 possui duas versões de entre eixos, a maior, com a denominação L, foi especialmente solicitada pelo mercado norte americano. Os 140 mm a mais dão ao sedã mais espaço interno e de consequência conforto. No modelo atual, as vendas da versão mais curta só são significantes na Europa, onde alguns clientes ainda a preferem. Todos os opcionais mais luxuosos disponíveis no BMW Série 7 só estão disponíveis na versão longa. Em todo o resto do mundo, principalmente apoiado pelos mercados Norte Americano e japonês, o BMW 750 Li é praticamente o único oferecido. Os modelos da geração atual que são vendidos no Brasil, todos estão disponíveis somente na versão longa.

 

Com 140 mm a mais, a versão do BMW 750 Li é mais vendida em todo o mundo.

 

BMW Serie 7 V16? Isso quase aconteceu

Enquanto preparava a segunda geração do BMW Série 7, foi feito o teste. A BMW pegou seu vigoroso V12 M70, que mais tarde viria equipar o BMW 760i e o BMW 860i, juntou mais 4 cilindros e fez o V16. Os cilindros tinham o mesmo tamanho, com isso, o cofre do motor ficou lotado, obrigando os engenheiros a colocar o sistema de arrefecimento no porta malas. O carro acabou ganhando, com isso, duas entradas de ar laterais. Infelizmente, o carro deu tantos problemas técnicos que a BMW abandonou o projeto. Hoje, é inviável pensar em motores gigantescos assim, nossa cultura automobilística vem caminhando para a redução. Os motores estão ficando cada vez menores. Os problemas de turbo lag, que atacavam até mesmo os carros da Fórmula 1 na década de 1980, já estão resolvidos. O que mais vemos hoje nos carros de alta performance abandonarem os gigantescos motores aspirados e investindo em cilindradas menores e sobrealimentação.

 

Como o motor V16 ocupou todo o cofre do BMW Serie 7, os engenheiros colocaram o sistema de arrefecimento na parte traseira.

 

Conforto acima de qualquer expectativa

O BMW série 7 é muito mais que um carro de luxo comum. Reunindo o que há de melhor em questão de conforto e acabamento, serve de parâmetro para os próximos passos da marca nos outros modelos. Entre os equipamentos internos estão o BMW GESTURE CONTROL, onde o condutor pode acessar funções específicas com simples movimentos das mãos em frente ao painel. O BMW Gesture Control é um complemento a outros sistemas, como o iDrive Touch Controller.O BMW KEY DISPLAY é uma chave que fornece diversas informações sobre o veículo e permite selecionar funções por meio da tela de toque integrada. É possível visualizar a hora, o nível de combustível e a respectiva autonomia, além de obter informações sobre o serviço de assistência, sistema de travamento central, janelas e teto panorâmico. Além dos controles traseiros de some outras funções do carro, o ar condicionado de 4 zonas, os bancos de couro possuem aquecimento, controles elétricos e até massageador.

 

Sistema de vídeo, ar condicionado de 4 zonas, bancos de couro com aquecimento, regulagem elétrica e massageador. Luxo excepcional no BMW Serie 7

 

Fibra de carbono como base da construção

A aplicação de alumínio, aço de alta rigidez, magnésio e plástico reforçado com fibras de carbono (CFRP), isso confere dinâmica e conforto de maneira sem igual no segmento de veículos de luxo. A redução de 130 kg no peso do BMW Série 7 em comparação com a geração anterior contribui para deixar o veículo mais leve e melhorar a estabilidade a distribuição equilibrada das massas e uma redução do centro de gravidade. O veículo possui distribuição de peso quase perfeita, na proporção 50:50, e centro de gravidade reduzido. Assim, o motorista tem mais conforto ao dirigir, agilidade nas respostas e com menos consumo.

 

Aerodinâmica Inteligente e adaptativa

A aerodinâmica exerce um papel crucial em vários elementos importantes, como resistência do ar, estabilidade e acústica. A resistência aerodinâmica do BMW Série 7 foi reduzida em 10% quando comparado a geração anterior. O Active Air Stream funciona quando o veículo precisa de menos ar de refrigeração, as lâminas da grade são fechadas eletricamente, reduzindo as correntes de ar no motor, melhorando a aerodinâmica e o consumo. A cortina de ar (Air Curtain) permite reduzir a resistência na carroceria de forma simples, mas eficiente. Dois canais estreitos encaminham a corrente de ar através do para-choque frontal, transportando-a para trás das rodas. Dessa forma, as turbulências nas caixas de rodas são reduzidas. Além disso, a cortina de ar contribui para melhorar a refrigeração de componentes importantes do veículo. As saídas de ar (Air Breather) que se encontram atrás das caixas de rodas dianteiras ajudam a reduzir as turbulências, o consumo de combustível e as emissões de CO2, canalizando corretamente a corrente de ar. Além disso, a suspensão pneumática de 2 eixos rebaixa o veículo em 10 mm a velocidades superiores a 120 km/h.

 

A aerodinâmica do BMW Série 7 é adaptativa.

 

Sistema de condução adaptativo

O modo adaptativo é uma função inteligente do botão de experiência de condução. O sistema considera diversos indicadores, tais como a aceleração, os movimentos do volante, o Controle de Cruzeiro e o estilo de condução pessoal. Além disso, juntamente com a navegação em tempo real, o sistema prepara automaticamente a suspensão para percursos sinuosos, cruzamentos ou pisos assimétricos.Além dele, é possível selecionar também os modos SPORT, COMFORT ou ECO PRO. As funções integradas, como a tração antecipada e a análise constante dos movimentos do veículo e do trânsito, influenciam o processo de engrenagem das marchas. O sistema seleciona constantemente a marcha mais indicada para a respectiva situação, levando em conta o modo de direção. A transmissão comunica-se com dados do sistema de navegação e, de acordo com as características do percurso, proporciona uma resposta mais esportiva (modo SPORT) ou mais confortável, com menos trocas de marcha (modo COMFORT).

 

Navegador profissional e sistemas de condução inteligente fazem o painel do BMW Série 7 tão eficiente quanto um cockpit de avião.

Eficiência total em consumo de energia

Com a função Auto Start/Stop o veículo consome combustível apenas quando circula. Ao parar, por exemplo, nos semáforos ou no trânsito, a função desliga o motor. A redução do consumo de combustível chega a 6%. O processo de frenagem libera energia cinética. O sistema utiliza essa energia não aproveitada para carregar a bateria. Resultado: o consumo de energia é menor e a performance é maior. Na direção assistida elétrica, o comportamento da direção é mais direto em altas velocidades e mais ágil nas manobras de estacionamento. O sistema consome energia apenas quando é realmente necessário. Ao contrário do sistema hidráulico convencional, a direção assistida elétrica da BMW é alimentada por um motor elétrico, funcionando apenas quando o motorista movimenta o volante. Ao dirigir em frente, e com o volante numa posição constante, o motor elétrico fica desativado, poupando energia. Essa adaptação flexível permite aumentar o conforto ao dirigir.

 

O motor V8 4.4 de 450 cv leva o carro a 250 km/h , limitado eletronicamente. Tudo ajudado pela carroceria leve feita com materiais compostos.

 

Sistemas de direção inteligentes

O BMW Série 7 possui assistente de condição e assistente de direção e de faixa. Sensores e câmeras infravermelha identificam animais e pedestres com visão noturna. O sistema de navegação integrado e câmera 360 projetam tudo na tela de LCD no painel. O assistente de direção e de faixa de rodagem mantém o veículo automaticamente no centro da faixa. Em congestionamentos, o veículo fica a uma distância segura do carro à frente, freando e acelerando automaticamente conforme o trânsito anda.

 

A câmera 360 reproduz uma imagem fiel do BMW Série 7 e de toda a sua redondeza.

 

Ficha técnica do BMW 750 Li

Motor

Instalação do motor Dianteiro
Disposição do motor Longitudinal
Código do motor N63B44TU
Cilindros 8 em V
Diâmetro dos cilindros 89 mm
Curso dos pistões 88,3 mm
Combustível Gasolina
Cilindrada 4395 cm³
Taxa de compressão 10:01
Válvulas por cilindro 4
Comando de válvulas Duplo no cabeçote, corrente
Variação do comando Admissão e escape
Aspiração Turbocompressor
Alimentação Injeção direta
Câmbio Automático
Marchas 8
Tração Traseira

Chassi

Suspensão dianteira Independente, braços sobrepostos, molas pneumáticas
Suspensão traseira Independente, braços sobrepostos, molas pneumáticas
Freios dianteiros Disco ventilado
Freios traseiros Disco ventilado
Direção Elétrica
Pneus dianteiros 245/40 R19
Pneus traseiros 275/35 R19
Procedência Importado
Configuração Sedan
Porte Grande
Ocupantes 5
Portas 4

Dimensões

Comprimento 5079 mm
Largura 1902 mm
Altura 1471 mm
Entre-eixos 3070 mm
Tanque de combustível 80 litros
Porta-malas 500 litros
Diâmetro de giro 12,2 m
Peso 1940 kg

Desempenho

Velocidade máxima 250 km/h
Aceleração 0-100 km/h 4,8 s
Potência 450 cv a 5500 rpm
Torque 66,3 kgfm a 2000 rpm
Peso/potência 4,3 kg/cv
Potência específica 102,4 cv/l
Peso/torque 29,3 kg/kgfm
Torque específico 15,1 kgfm/l
Consumo urbano 5,2 km/l
Consumo rodoviário 7,8 km/l

Gostou? A AvantGarde possui esses e mais outros modelos à disposição.

Leave your comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisando de uma ajuda para escolher um veiculo?

Entre em contato